sexta-feira, 1 de maio de 2015

Um Livro Chamado Vida

Nem só as células, os órgãos e as moléculas nos constituem. Somos um amontoado de histórias, umas esquecidas, outras presentes na memória. Nada mais queremos que partilhar com o mundo o que fizemos, quantas vezes desembaínhamos a espada e a apontamos, quantas vezes as palavras nos feriram como punhais mas superamos cada uma delas com bravez e determinação. Por outro lado, não temos grande apreço pelas quedas, ainda que seja admissível ser-se fraco por vezes. Não temos apreço que desconstruam a pessoa que idealizam que somos porque a autoconfiança não é algo que abunda e não precisamos de alguém a duvidar de nós mesmos mais que nós. No entanto, esquecemo-nos que as vezes que caímos e nos ancoramos a algo que nos levou a algum sítio são motivo de orgulho, ainda que seja orgulho próprio. Somos todos fascinados por histórias de super heróis, personagens carismáticas que superam qualquer tipo de adversidade. Mas não somos mero produto da imaginação ou reflexão de alguém. Somos humanos, de carne e osso, com erros a pautar cada episódio da nossa vida, com indecisões, com momentos de vitória e euforia absoluta. Não somos apenas um amontoado de células com todas as suas funções fisiológicas. Somos vida.

4 comentários:

  1. E há que aproveitar a vida ao máximo, com todos os seus altos e baixos! Belo texto Sofia :)

    ResponderEliminar
  2. Adorei... e concordo, não somos só células, somos vida,somos experiências, somos memórias...

    ResponderEliminar
  3. Somos Vida. Somos Humanos. Somos Amor!

    ResponderEliminar

"Procura o que escrever, não como escrever." Séneca
Aviso: Não se aceitam comentários que não se relacionem com o post. Obrigada pela compreensão.