quinta-feira, 25 de julho de 2013

Prazer, chamam-me Coletora

Não procuro o corpo. Prefiro antes a alma porque me inquieta. O que é um corpo sem alma? O mesmo que um dia de Verão sem calor ou um dia de Inverno sem aquela doce melancolia a pairar no ar. No corpo, apenas procuro o calor humano a que tanto me neguei. Procuro escavar até encontrar a alma, aquela que completa o meu ser e irradia calor em mim. Eu quero a alma e não o corpo. Não temo procurar até aos confins da Mesopotâmia ou escavar todo o gelo na Gronelândia: ela tem de existir aí, no lugar onde a minha mão gosta de sentir as palpitações do coração.
Escusas de procurar a minha. Ela existiu, na era das bruxas ela ainda residia em mim, mas depois, como que por um passo de magia, desapareceu e nunca mais lhe pus a vista em cima. Sabes quando há uma fogueira a arder e o fumo vai subindo até desaparecer? Eu vi ela ser arrancada do meu corpo e elevar-se majestosamente. Muito densa próxima do meu coração e esfumada no topo até que desapareceu de vez. E agora eu sou como um desses dias de Verão sem calor e desses dias de Inverno sem a melancolia no ar. Sou um poço de futilidades imateriais, de fantasias e de crueldade. Mas és diferente. Talvez não te arranque a alma. Talvez possas cultivar algo em alguém, ao invés de mim que apenas serviu para partir aquilo que já estava consertado. 
Prazer, chamam-me Coletora. E tu, quem és?

3 comentários:

  1. :) muito encantada com as tuas palavras.

    ResponderEliminar
  2. Eu sou alguém que ficou envolvida pelas tuas palavras! Maravilhoso :) A "Hayley" está a voltar ao corpo da Sofs, é?

    E o teu blogue está giríssimo assim! Adorei ;)

    ResponderEliminar

"Procura o que escrever, não como escrever." Séneca
Aviso: Não se aceitam comentários que não se relacionem com o post. Obrigada pela compreensão.